Notícia de última hora:




Um suspiro atirou-se de um balcão, numa casa de Lisboa!
Fendeu o ar,
Qual pluma verde e azul de um pavão...
E aninhou-se, suavemente,
Nos braços de um ser
Que cá em baixo o esperava...

Pensa-se ser um acto propositado,
Ditado pelo amor,
Graça constante do afecto...

Caminharam os dois na direcção do rio,
Só isso sabem dois pombos,
Únicas testemunhas deste acto tresloucado...

E quem souber do paradeiro destes dois sentidos,
Por favor guarde bem essa informação!
Nunca se deve dizer onde pára o amor...
Tal facto só se deve sentir...

E quando passarem por este balcão,
Vejam bem!
Reparem se nenhum suspiro vem voando
E se aninhe nos vossos braços...
Qual pluma verde e azul de um pavão...

Amadora, 2004


JOÃO CASTELA CRAVO


voz - Cristina Paiva

música - Bill Laswell / Gaetano Donizetti
L'Elisir d'Amore (Una futiva lagrima)

sonoplastia - Fernando Ladeira

Sem comentários:

Enviar um comentário