Chama





Era uma vez uma chama sozinha. Procurava outra. Precisava dela.
Quase a extinguir-se, viu-a. Aproximou-se a custo. Perguntou-lhe:
- Como te chamas?
- Chama.
Num último alento, a chama sozinha gritou-lhe o nome:
- Chama. Chama. Chama.
Abraçaram-se. Foi um grande incêndio.


ANTÓNIO TORRADO
O conta-gotas


voz - Cristina Paiva

música - John Zorn

sonoplastia e fotografia - Fernando Ladeira

ilustrações - Gémeo Luís

Sem comentários:

Enviar um comentário