A erva daninha





Sou uma erva daninha.
Nem princesa, nem rainha.

Não tenho eira nem beira.
Nem ninguém que me queira.

Comigo ninguém se importa.
Todos me querem ver morta.

Sei que sou amaldiçoada.
porque não sirvo pra nada.

Mas a culpa não é minha,
de ser uma erva daninha.

Inventaram o herbicida,
pra me complicar a vida.

Mas isto não fica assim.
Vamos ver quem ri por fim.

Nem princesa nem rainha.
Sou uma erva daninha.


JORGE SOUSA BRAGA
Herbário

música: Django Reinhardt

voz - Cristina Paiva

sonoplastia - Fernando Ladeira

3 comentários:

  1. Delicioso!

    O que poderiam vós fazer com um poema do Echevarría?

    ResponderEliminar
  2. Muito divertido!

    Adoro o vosso blog. Tornam a poesia ainda mais encantora e mágica. E eu já não consigo viver sem isso.

    Continuem com o bom trabalho!

    http://pingosdetinta.blogspot.com

    ResponderEliminar
  3. A interpretação que deram ao poema está fantástica. É sempre tão compensador espreitar o vosso blog. parabéns

    ResponderEliminar