De uma poesia...





De uma poesia esperam tanta cousa!
E logo desesperam,
se não ousa.

Mas a poesia nada tem com isso.
Ela não diz nem faz,
nem está sequer ao teu ou meu serviço.
Serão visões da paz,
aquilo que ela traz:
mas quanta guerra para falar nisso!

Uma só coisa ela terá, se for
(e espera ou desespera,
conforme o meu, o teu, o nosso amor):
Inverno ou Primavera,
e sempre uma outra dor.


JORGE DE SENA
Jorge de Sena por Eugénio Lisboa


voz - Cristina Paiva

música - Stephan Micus

sonoplastia - Fernando Ladeira

1 comentário:

  1. Na minha "irrazoável" opinião, este blogue faz serviço público__

    ResponderEliminar